Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Freguesia do Livro’

Esse artigo sobre a Freguesia do Livro foi escrito por Luisa Bonín e publicado no recém-lançado site Nossa Causa, feito por gente jovem e que compartilha conteúdo social e atitudes transformadoras para incentivar a todos a fazer parte de mudanças por um mundo melhor. Poucas vezes vimos a Freguesia retratada de maneira tão esclarecedora e por isso agradecemos.

Freguesia do Livro – E se o mundo fosse uma imensa biblioteca?

Que livro você está lendo? Você compra livros? Ou empresta de amigos e conhecidos para ler? Quando foi a última vez que você foi a uma biblioteca? Há quanto tempo seus livros estão parados na prateleira de casa? Já pensou que a sua resposta, somadas as respostas das pessoas que estão à sua volta, mais as respostas dos seus empregadores e representantes políticos, podem influenciar a vida que você leva?

Estou lendo “Tipos de Perturbação”, de Lydia Davis (um livro de contos curtos que estou, infelizmente, lendo muito mais devagar do que gostaria). Compro livros em livrarias (bem mais do que consigo, efetivamente, ler), também empresto de e para amigos – a última vez que fui a biblioteca foi para tirar Xerox. Tenho um número significativo de livros parados em minha estante e tenho pensado bastante em como essas respostas influenciam minha vida desde que terminei a graduação – quando meu tempo me permitiu ler mais daquilo que gosto. Isso tudo me fez querer falar sobre o trabalho lindo que a Angela Duarte, a Josiane (Jô) Bibas e a Maria Luiza Mayr têm feito através da Freguesia do Livro desde 2011.

O que é o projeto

A Freguesia do Livro nasceu de forma totalmente voluntária em Curitiba-PR. Quando a Angela e a Jô deixaram a fonoaudiologia, queriam fazer algo com os livros que elas tinham usado como mães e na vida terapêutica, fazendo com que levassem a outras pessoas o mesmo impacto positivo que eles tinham provocado em suas vidas. Nesse momento, juntou-se a elas a Maria Luiza, e então começaram montando uma biblioteca infantil em um projeto social na Vila Zumbi dos Palmares, um bairro de Colombo, município da Grande Curitiba.

Para alimentar a biblioteca, pediam livros para amigos e conhecidos. Com isso, começaram a receber uma quantidade muito maior de livros do que a biblioteca na Vila Zumbi comportava. Foi então que nasceu a Freguesia do Livro como ela é hoje: na casa de Maria Luiza está o que chamam de bunker dos livros, onde elas reúnem todos os livros que recebem, reformam, separam, carimbam e fazem com que ganhem o mundo mais uma vez. São três os possíveis destinos: manutenção de bibliotecas comunitárias ou de universidades, grandes feiras de doações de livros, e finalmente, o destino que mais me fascina: os pontos de leitura.

Para fazer os livros circularem e chegarem ao maior número de pessoas possível, a Angela, a Jô e a Maria Luiza começaram a colocá-los em caixas de madeira recicladas e decoradas, e levá-los a lugares onde o fluxo de pessoas é grande: cafés, supermercados, associações de moradores, hospitais, hotéis, pousadas, ONGs, igrejas, frutarias, escolas rurais, escolas de yoga, restaurantes, associações de catadores de materiais recicláveis, fábricas, salões de beleza, escolas de idiomas, etc. As possibilidades são infinitas. Em Curitiba, basta se cadastrar no blog da Freguesia para receber uma caixa. A premissa do projeto é o empréstimo livre e a colaboração: pode pegar qualquer livro, não há cadastro nem controle, o único desejo das três fundadoras é que os livros sejam realmente lidos, e que as caixas continuem vivas e alimentadas. Em cada ponto de leitura, é incentivada também a doação de livros, para que cada caixa seja autossustentável.

Freguesia-do-livro-projeto-nossa-causa

 

1 – Angela Duarte, Jô Bibas e Maria Luiza Mayr no bunker dos livros | 2 – Caixa reciclada e decorada pela Freguesia do Livro, pronta para chegar em mais um ponto de leitura | 3 – Macunaíma, de Mário de Andrade, reformado e carimbado para ganhar o mundo mais uma vez

O livro, por si só, é suficiente?

O trabalho operacional para manter as caixas vivas e para levá-las a mais lugares é grande, a separação e reforma de cada livro é minuciosa, e poderia parecer que o maior desafio do projeto é logístico. Não é. Formar leitores é a tarefa mais difícil, requer amor, paciência e insistência.

“Antes a gente achava que deixar aquela caixa linda de livros em algum lugar era mais do que suficiente para que as pessoas lessem. E não é – a gente tem que criar agentes de leitura”, conta Jô Bibas.

Para fazer com que as pessoas adquiram o hábito da leitura, é preciso fazer com que, em cada um dos pontos, tenha alguém disposto a inspirar outra pessoa a pegar um livro e ler. Agora que a logística do projeto se automatizou nas mãos das três empreendedoras, mobilizar pessoas para incentivar a leitura tem sido a mais nova preocupação do projeto, juntamente com a formalização da iniciativa como ONG, pois o CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) irá abrir oportunidades para firmar mais parcerias e até mesmo conseguir recursos para que o projeto possa ser sustentável e gerar mais impacto.

Ao lançarem o blog para o cadastramento de pontos de leitura, o primeiro pedido de livros que receberam foi da cidade de Xapuri, no Acre. Frente à impossibilidade de atendê-los, mas ao mesmo tempo, com um projeto potente em mãos, criaram um manual para que qualquer pessoa possa montar uma Freguesia do Livro em sua cidade.

“É uma ideia tão simples, que a gente quer mais que as pessoas copiem”, completa Angela.

Graças a isso, os pontos de leitura chegaram a Ponta Grossa, Chopinzinho e Foz do Iguaçu, no Paraná; e nas cidades de Florianópolis e Rio de Janeiro; que somados aos já existentes da Grande Curitiba e litoral paranaense, chegam a mais de 90 unidades.

Um dos mais conhecidos e ativos pontos do leitura em Curitiba fica na Frutaria São Francisco, no bairro Ahú. Nenê e Fátima, donos da frutaria, colocaram a caixa de livros no meio das caixas de frutas, e, como bons amantes dos livros, se tornaram grandes agentes de leitura. Hoje as frases mais comuns na frutaria São Francisco, além do quilo do tomate e da doçura da laranja, são: “Tá levando banana, aproveita e vê se não tem um livro bacana aí que você vai gostar”, “Quando você voltar, vê se não tem um livro que você possa trazer”, “Pode levar, não precisa de cadastro”, conta Nenê. A iniciativa na frutaria fez tanto sucesso que hoje eles recebem muitas doações, o que faz com que eles se abasteçam sozinhos e ainda consigam abastecer outros pontos.

frutaria-freguesia-do-livro-projeto-nossa-causa

 

A transformação pela leitura

Formar leitores e dar a eles acesso livre a bons livros, e especificamente aos de ficção, está intrinsecamente ligado a nossa capacidade de enxergar os outros e os atribuir corretamente crenças, ideias, intenções, afetos e sentimentos. É o que diz a pesquisa publicada recentemente pela Revista Science Reading Literary Fiction Improves Theory of Mind  (Ler ficção literária melhora a teoria da mente), de David C. Kidd e Emanuele Castano, citada no artigo “Qual romance você está lendo?” de Contardo Calligaris, na Folha de São Paulo. Ou seja, foi comprovado cientificamente que a leitura é o mais fácil e democrático exercício de empatia e compaixão, fazendo nos colocar no lugar do outro de forma atraente e simples.

O escritor britânico Neil Gaiman no brilhante artigo publicado a pouco pelo Guardian Why our future depends on libraries, reading and daydreaming (Por que o nosso  futuro depende de bibliotecas, da leitura e da imaginação” cita, além da empatia, diversos benefícios que a leitura de ficção provoca, mas vou citar dois deles, que me chamaram muita atenção:

  • Ao fazer com que pessoas comecem a ler um livro e não parem, querendo saber o que acontecerá na outra página, a literatura força as pessoas a aprenderem novas palavras, novas formas de pensar, e com isso descobrir o prazer da leitura. Esse prazer, uma vez descoberto, leva as pessoas a lerem tudo. Vivemos num mundo de palavras, a internet é essencialmente feita por palavras, precisamos compreender o que lemos, e nos entender, para que possamos nos expressar melhor e assim trocar ideias.
  • A ficção exercita nossa imaginação. Nós somos moldados a pensar que o que está a nossa volta é estático, que a nossa sociedade é fechada e não incita mudanças. Mas a verdade é que ao longo de toda a história, as pessoas que mudam o mundo, fazem isso ao imaginar como as coisas podem ser diferentes. Tudo o que está a nossa volta: a cadeira em que estamos sentados, o programa de televisão que assistimos, e até o sistema de transporte de uma cidade foi um dia imaginado por alguém. A leitura faz com que a nossa imaginação vá a lugares nunca antes visitados, e nos ajuda a projetar uma nova e melhor forma de viver.

Potencializar e acelerar a transformação pela leitura é simples, e a Freguesia do Livro está disposta a facilitar a jornada de todos que querem transformar o mundo num lugar habitado por leitores.

Por isso, se assim como eu, você se identificou com o projeto, comece por olhar a estante e ver que livros pode doar e/ou emprestar, e mais do que isso, torne-se um agente de leitura, ajudando a multiplicar os pontos de leitura na sua cidade. A Freguesia do Livro ainda não está em sua cidade? Leve-a.

Você pode ver o artigo na íntegra no site Nossa Causa, aqui.

Sobre Luísa Bonin

Formada em Relações Públicas pela Universidade Federal do Paraná – UFPR, e em Planejamento Estratégico de Comunicação pela Lemon Escola de Publicidade de Curitiba. Também é atriz profissional desde 2008, e atualmente é Diretora de Comunicação da Aliança Empreendedora e coordenadora do Portal Impulso de Crowdfunding.

Read Full Post »