Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Desapego’ Category

A Freguesia do Livro cresceu, virou ONG, uma iniciativa que espalha livros por aí. Os livros que distribuímos são doados por você, por muitas pessoas que acreditam que cultura é movimento de trocas contínuas.

DSC_0962a

As caixas que colocamos nos locais que você pode ver aqui, chegam lindas, cheias de livros e, em pouco tempo…  às vezes esvaziam. Bacana, você pode estar pensando, as pessoas estão lendo. É nisso que também acreditamos, pois se assim não fosse, não estaríamos carregando caixas e mais caixas de livros para lá e para cá.

DSC01981

Hoje, queremos mais. Queremos caixas auto-sustentáveis, sem a reposição inesgotável de livros sempre que os volumes escoam. Queremos engajamento, que as pessoas que levam, efetivamente devolvam, passem adiante ou colaborem trazendo mais livros como diz a mensagem nas primeiras páginas de cada livro ofertado. Queremos que quem recebe nossa caixa se sinta responsável por ela, que a proteja, a apresente, a alimente. Queremos que as pessoas se sintam envolvidas, comovidas, contagiadas pela possibilidade de incentivarem quem está por perto a ler. E ninguém faz isso melhor que o leitor, aquele que é apaixonado pela leitura.

2 dez 2013 carimbo escolhido 6x9 c

Queremos que todos aprendam a arrecadar.

Quem quer doar, pode envolver mais pessoas nessa ação. E quem recebe a caixa, pode ajudar a mantê-la recheada de livros. Basta arrecadar.

O hospital que recebe nossos livros para suas salas de espera, tem um corpo médico e de enfermagem e pode deixar uma caixa no refeitório para coletar livros e depois compartilhar entre os pacientes.

As empresas que acreditam em ações sociais (ainda existe quem não acredite em ações sociais hoje em dia?) podem provocar seus funcionários a doarem seus livros parados em estantes e os encaminhar para a Freguesia, uma caixa no refeitório para trocas ou para locais que se beneficiariam com eles em seu entorno.

Escolas? Excelente lugar para solicitar livros para alunos e seus pais. Crianças devem aprender desde pequenas as noções do desapego, do compartilhamento, das pequenas ações que ajudam quem precisa mais do que elas.

DSC04271

Eventos culturais podem solicitar livros como doação. O público que circula em eventos como esses faz parte de uma fatia leitora da comunidade, que cada vez mais se conscientiza de que livros precisam circular e acervo é aquilo que fica em cada um de nós dos livros que já lemos.

Captura de Tela 2014-04-15 às 20.52.41

Eventos sociais também são excelentes oportunidades: lanches, aniversários, festas, jantares. Peça um livro doado. Um pedágio literário.

As redes sociais ajudam e muito. Faça uma campanha pessoal de arrecadação de livros. Escolha um beneficiário e divulgue seu desejo de coletar livros para a Freguesia do Livro, ou para uma creche/frutaria/farmácia/café perto da sua casa, ou para uma escola que pode estar entre as tantas que nem biblioteca têm. Inspire-se em nossa página no Facebook: www.facebook.com/freguesiadolivro

Captura de Tela 2014-04-15 às 14.33.55

Arrecade. Livros, colaboradores. Crie leitores.

Anúncios

Read Full Post »

Captura de Tela 2013-07-09 às 14.07.47

Texto de Fabrizio Manili

Era uma bela manhã de junho em Curitiba e o sol brincava de esconde-esconde com uma pequena nuvem manhosa.

O inverno se aproximava e Leo, meio entediado, naquele dia não tinha vontade de ir brincar com os amigos na praça. Preparou um belo pão com queijo, se deitou no sofá e começou a ler um livro sobre piratas. Marina, sua irmã, chegou na sala bocejando:

“O que está fazendo?” perguntou ao irmão.

“Lendo”,  responde Leo.

“E do que fala o livro”?

Os irmãos tinham isso em comum: gostavam de ler. Antes que Leo pudesse explicar a história, de repente, no silêncio da sala, se ouviu um lamento vindo de trás da grande estante de livros.

“Escutou isso”? perguntou Marina, ficando em pé em um salto. Leo confirmou com um movimento de cabeça, prestando atenção ao ruído.

“Tem alguém atrás dos livros! Estou com medo…”  falou Marina assustada.

Leo se aproximou lentamente à estante e tirou alguns livros do lugar.

“Sim, sim” – disse uma voz fraquinha de dentro de um livro vermelho – “Estou bem aqui dentro! Por favor, abram!”

Os dois irmãos tiraram o livro da estante e cuidadosamente o apoiaram no chão. Estava meio empoeirado e, depois de soprarem o pó, reconheceram a velha capa.

‘É o livro da história da Cinderela! – exclamou Marina – Lembra dele? Quando éramos pequenos, líamos essa história sempre, todos os dias!”

Leo abriu o livro e ouviu de novo aquela estranha voz:  “Adiante, adiante… mais adiante: devem ir à página 21…”

Dezoito, dezenove, vinte… vinte e um…

“Finalmente, me encontraram! Parabéns!” disse a pequena voz.

“Mas… mas… você, quem é?” – perguntou Marina.

“Sou a fada da Cinderela! Vocês não se lembram mais de mim? Verdade que faz tanto tempo desde a última vez que abriram esse livro…”

“O que acontece? – perguntou Leo – Por que se lamenta tanto?”

“Uma desgraça! – exclamou a voz da fada – Não consigo mais transformar a abóbora em carruagem! Cinderela deve ir ao baile no castelo para encontrar o Príncipe! Mas se não tiver a carruagem… Oh, céus! Não quero nem pensar o que pode acontecer. Que desgraça!”

“O que aconteceu com a abóbora?”- perguntou Marina.

“Oh! Eu não sei. Há algum tempo tenho visto que a palavra “abóbora” está se encolhendo cada vez mais. E com uma abóbora assim murchinha, a magia não funciona! Me ajudem, por favor! Senão, Cinderela não se casará com o Príncipe!”

“Uhm, talvez… Se a abóbora está murcha, está só precisando de um pouco de água fresca!”- raciocinou o menino.

Marina correu até a cozinha para buscar um copo d’água e um contagotas e voltou rápida para a sala. Encheu o contagotas e deixou que um pequeno pingo caísse sobre a palavra “ABÓBORA”. Os irmãos e a fada esperaram um pouco, mas…. nada: a abóbora continuava seca e murcha como antes.

“A água não funciona” – disse Leo tristonho, enquanto a fada começava a chorar de desespero.

“Precisamos procurar ajuda – declarou Marina – Vamos levar o livro para algum médico, farmacêutico, veterinário… Não sei! Alguém que possa ajudar a fada a transformar a abóbora em uma carruagem, para levar a Cinderela ao baile no castelo.”.

Leo e Marina pegaram o livro e sairam de casa. Procuraram ajuda durante o dia todo. Pediram ao médico, ao famacêutico, ao veterinário, ao florista, ao eletricista… mas nada! Ninguém conseguia resolver o problema.

Quando finalmente tinham perdido as esperanças de salvar a abóbora e a fábula da Cinderela, passaram diante de um loja muito diferente e colorida.

O lugar era cheio de caixas de madeira, daquelas que se usam para carregar frutas e verduras na feira. Todas as caixas estavam cheias de livros, de todo os tamanhos e cores. Leo levantou os olhos e leu a placa em cima da porta: Freguesia do Livro.

“Que lugar estranho”- disse Marina.

“É mesmo, bem estranho-  concordou Leo. – Mas aqui cuidam de livros: pode ser que saibam como fazer para não deixar a abóbora da Cinderela murchar e secar de vez. Vamos tentar!”

Os dois entraram meio inseguros. E viram, no fundo da loja repleta de livros, três mulheres que riam e cantavam.

“Que divertidas…  – disse Marina – parecem as três fadinhas da Bela Adormecida“.

“Não faça confusão, Marina. – disse Leo – Essa é uma outra história…”

Enquanto isso, uma das mulheres se aproximou com delicadeza. Tinha os cabelos escuros, um ar sereno e falava suavemente: “Olá, meninos, eu sou Ângela. O que acontece? O que precisam?”

“Bem… na verdade, nós…, não sabemos se…” Marina não sabia o que dizer, estava sem jeito de contar aquela história sobre palavras murchas e fadas desesperadas.

Nesse meio tempo entrou correndo na loja um garoto com um livro verde nas mãos. Entregou-o a uma moça loira e sorridente e lhe disse: “Esse é o meu livro da “Branca de Neve” do qual falei ontem. A maçã da bruxa está escura! Está apodrecendo!”

A moça tranquilizou o garotinho: “Não fique preocupado, deixe teu livro aqui que nós cuidamos dele. Vamos levá-lo a pessoas confiáveis”.

Logo depois entrou uma menina com um pequeno livro amarelo apertado entre os braços.. Ela chorava e disse entre soluços: “O conto de fadas… Chapeuzinho Vermelho… quando eu era pequenininha… não leio mais… mas agora… a cesta, o pãozinho para a vovó, está seco, cheio de mofo”!!

A moça loira acariciou a cabeça da menina e sorriu: “Fique tranquila, pequena. Você vai ver: vamos encontrar crianças que querem ler esse teu livro amarelo e o pão não vai mais secar. E a fábula vai voltar a ser o que era”.

A menina sorriu, enxugou as lágrimas  e saiu saltitando de alegria.

Leonardo chegou perto da moça, curioso: “Então… nós também temos um problema com o nosso livro da Cinderela”.

“Do que se trata”? perguntou ela.

“Acontece que a fada do livro não está conseguindo mais transformar com a sua magia a abóbora em carruagem, porque ela está seca e murcha. Tentamos regar com água a palavra “abóbora”, mas não adiantou nada.”

“Vejam bem, meus jovens – respondeu a moça – os livros, quando não são lidos por ninguém e ficam fechados cobrindo-se de pó em uma estante, murcham; suas palavras mofam, encolhem, somem. E as histórias não funcionam mais, não terminam ou terminam mal. As palavras não são regadas com água, mas sim com leitura”!

“E o que podemos fazer?”- quis saber Leo – “Estamos grandes e já lemos e relemos esse livro tantas vezes. Agora lemos outras coisas e não temos mais tempo nem vontade de reler esse aqui”.

“E – completou Marina – temos tantos outros livros como esse em casa, que não lemos há tanto tempo!”

A moça livreira respondeu: “Se vocês não leem os seus livros antigos, existem muitas outras pessoas, grandes e pequenas, que não os leram ainda e querem ler. E quando elas também não forem mais ler os livros, poderão presenteá-los a outros, e assim por diante…”

Leonardo e Marina saíram daquele lugar mágico pensando nos livros esquecidos e silenciosos que tinham em casa. Mesmo sem trocar uma palavra, ali tomaram uma decisão. Para que os livros continuem levando suas histórias, precisam viajar por outros olhos. Se olharam e sorriram: chega de palavras murchando em casa, vamos regá-los com leituras.

O texto acima é de Fabrizio Manili, escritor italiano. Traduzido livremente com autorização do autor por Josiane M. Bibas.

www.frabboscrivano.blogspot.com

Ilustração de Karin Jeanne: www.karinjeanne.com

Read Full Post »

Captura de Tela 2013-05-25 às 09.16.32

Você pode escolher, entre as alternativas abaixo, o modo como participar desse movimento literário que tira livros parados de prateleiras e os faz circular:

a) vou doar livros que já li e não vou ler mais. Para a Freguesia do Livro ou outro lugar que possa se beneficiar com eles.

b) vou ser um Ponto de Coleta: receber livros doados e repassar para a Freguesia do Livro ou outra iniciativa de leitura perto daqui.

c) vou espalhar essa ideia.

d) vou criar uma biblioteca comunitária.

e) acho que livros não devem ser doados (sé-rio??!!)

Participe de algum jeito, contamos com você. Muitos conceitos estão envolvidos no simples ato de doar um livro: consumo consciente, acesso à cultura, educação e responsabilidade social. Tudo isso.

O tempo passa rápido. Livros parados em sua casa estão deixando de ser lidos por outras pessoas. Pense nisso.

Quer entender melhor o que a Freguesia do Livro faz? Veja aqui.

Deu vontade de participar doando livros? Veja como aqui.

Quer começar um ponto de leitura? Cadastre-se aqui.

Quer ver para onde os livros vão? Entre aqui.

Você também pode gostar de….

Acervos

Ter tanto

 

Read Full Post »

A Freguesia do Livro existe porque algumas (cada vez mais, que bom) pessoas doam seus livros para que possamos criar pontos de leitura nos mais diversos locais. E para nós é muito importante mostrar para onde seus livros estão indo. Continuamos trabalhando e muito! Espalhando os livros e levando literatura e informação para muitos lugares. Aprecie.

Começamos o ano levando livros para Ilha de Valadares, uma pequena ilha que fica bem na frente de Paranaguá com acesso de carro apenas por uma pequena ponte, onde se passa só com autorização especial. E a Freguesia foi autorizada! Chegamos lá com um carro abarrotado de livros para 3 CMEIs (Centros Municipais de Educação Infantil): crianças de 0 a 6 anos receberam muitos livros lindos! Inclusive uma boa parte dos livros enviados da Holanda pela Juliette.

DSC01628

DSC01631

Ilha de Valadares tem uma educadora muito ativa que combina muito com a Freguesia: ela faz parte de um projeto que estimula a leitura dos pais junto com as crianças do CMEI. É o projeto Sacolas Viajantes, do qual você pode saber mais aqui. Envolve leitura e desenho, e por tabela estimula os pais a lerem mais. Por isso levamos livros para adultos também, é claro!

Captura de Tela 2013-05-01 às 11.27.19

Fernanda precisava apresentar um projeto na sua escola e teve a ideia de falar sobre a Freguesia do Livro. Arrecadou livros e junto com os que mandamos, montou um ponto de leitura na Paróquia Nossa Senhora do Bom Conselho, em Santa Felicidade, Curitiba. Ler mais é mesmo um bom conselho.

Freguesia do Livro 013

Livros e frutas combinam? E como! No meio das caixas de bananas, maçãs e uvas, desponta uma cheia de cultura e histórias. Com uma aceitação que nos faz pensar que esse é um lugar ideal para colocar mais caixas como essas. Você não conhece uma quitanda perto da sua casa onde poderíamos levar uma caixa cheia de livros? Avise-nos, que a gente leva (Curitiba e região metropolitana. Se for de mais longe, um desafio: arrecade livros e comece você um ponto de leitura). Caixas com livros na Frutaria São Francisco, no Ahú e na Casa Camponesa, no Hugo Lange. Visite e alimente sua fome de cultura.

DSC01649

DSC01934

Rotaryanos ajudam a comunidade, isso todos sabemos. Essa gestão do Rotary Club Tibagi Guartelá identificou escolas rurais que tinham bibliotecas desabastecidas e solicitou o envio de livros. Eles foram levados para Ponta Grossa no caminhão de uma empresa que apoia nosso trabalho. Lá foram pegos pela Marise que tinha feito o contato e levados para a Escola Estadual Baldomero Bittencourt Taques, a 40 km de Tibagi. Rodaram, mas chegaram!

Captura de Tela 2013-04-30 às 21.30.16

Captura de Tela 2013-04-30 às 21.31.12

A Gráfica Inpag, que nos ajudou com etiquetas adesivas, pensou e decidiu que ter livros para seus funcionários era uma boa ideia. Uma caixa da Freguesia partiu para Ponta Grossa.

DSC05921

Algumas reposições aconteceram: levamos mais livros para os Centros de Hemodiálise da Pró-Renal e outros foram enviados para colaborar com as simpáticas Mini-bibliotecas de Araucária.

DSC01664

Captura de Tela 2013-05-01 às 11.42.43

Continua…

Read Full Post »

Pela segunda vez estivemos na Utfpr fazendo uma distribuição gratuita de livros para os alunos de lá. Dá gosto de ver algo em torno de 750 livros serem levados por pessoas que os escolhem, comentam entre si o que acham das obras, disputam um volume e negociam o repasse depois de lido.

De quebra, com os livros embaixo do braço, chegam em casa e pensam nos que têm parados em suas estantes e que podem entrar na nossa roda literária.

Um grande BookCrossing: livros que a Freguesia recebeu em doação, levados a universitários e encontrados por pessoas que saberão apreciar sua importância.

Captura de Tela 2013-04-18 às 17.52.44

Captura de Tela 2013-04-18 às 17.55.53

Captura de Tela 2013-04-18 às 17.57.08

Captura de Tela 2013-04-18 às 17.51.36

Captura de Tela 2013-04-18 às 17.51.58

Captura de Tela 2013-04-18 às 17.52.57

Captura de Tela 2013-04-23 às 21.52.49

Esse post participa do 6o BookCrossing Blogueiro, promovido pelo Luz de Luma. Gostamos de participar e concordamos plenamente que literatura precisa circular.

Captura de Tela 2013-04-23 às 21.59.58

Read Full Post »

Captura de Tela 2013-04-14 às 14.45.38
Doar livros parece difícil, não parece? Quem tem livros é leitor, gosta do que comprou e leu e guarda porque… por que mesmo? Para reler, quem sabe. Para lembrar do que já foi lido, prateleiras abarrotadas de histórias que já cumpriram seu papel e poderiam partir para outros leitores, outras leituras.

Por sorte, muitas pessoas pensam como nós e, periodicamente, revêem seus acervos, tiram o que pode sair para abrir espaço para o que deve entrar.

Com imensa alegria, recebemos uma ótima doação da escola onde nossos filhos estudaram, livros que podem ter passado nas mãos deles e que agora vão chegar nas mãos de outras tantas crianças.

Fica a ideia: escolas particulares que em geral têm grande acervo em suas bibliotecas podem dar uma olhada generosa em seus volumes e mandar alguns para participar de nossa corrente literária. Seus livros irão parar em prateleiras de escolas públicas, próximas ou muito distantes, onde essa carência, infelizmente, existe.

Aqui, um breve depoimento de Luci Serricchio, diretora pedagógica da Escola Anjo da Guarda – Curitiba. A ela e à escola agradecemos a doação. A quem nos lê, esperamos que leve essa ideia à escola de seu filho.

Edição do vídeo: Bernardo Duarte

Ilustração inicial de Carla dos Anjos: daqui

Read Full Post »

DSCN3404A

Na trajetória da Freguesia já encontramos todos os tipos de relações com livros: pessoas que nos olham espantadíssimas pela simples menção à retirada de qualquer volume de suas casas, viram as costas e nos deixam falando sozinhas; aquelas em que vemos, enquanto desfilamos o discurso sobre nosso movimento literário, o surgimento por trás do olhar de uma dúvida – “Será que preciso mesmo guardar todos aqueles meus livros”? – e outros que parecem ficar muito felizes em encontrar na Freguesia um modo de dar um destino bom e confiável aos livros que desejam colocar para viajar por aí.

E tem os que sabem que livros são moeda cultural preciosa e fazem deles um jeito de mudar o mundo. São os amigos, lojas e empresas que fazem arrecadações de livros e os enviam para nós. Recentemente recebemos uma excelente doação do escritório de advocacia Augusto Prolik, aqui de Curitiba, e da Leroy Merlin, onde muitas caixas nos aguardavam.

large_3287986172

Exemplo extremo, quando falamos de arrecadações de livros, é  Juliette que nos envia da Holanda livros infantis que ela traduz e adesiva com textos em português. E ainda faz uma coleta de dinheiro entre amigas para as despesas de envio pelo correio.

PicMonkey Collageju

Em 2012 e novamente agora, em maio de 2013, Tati Kli, empreendedora e cheia de ideias, promove o 2GetSale, um encontro de tendências, moda, gastronomia e decoração. E a entrada do evento: livros para a Freguesia do Livro! Iniciativa que adoramos!

Captura de Tela 2013-04-14 às 12.12.50

Fica a ideia: se você tem loja, escritório, restaurante, vai à igreja, à academia, ao salão de beleza, ao churrasco com amigos, faz festas, aniversário de criança, eventos culturais… Faça uma arrecadação de livros. Um pedágio literário. E lembre de nós!

DSC00137

DSCN1847

Read Full Post »

Older Posts »